25 de setembro de 2010

A mãe de todos os males

INEXORÁVEL e ponto. Assim se cumpre o destino do planeta, selado em seus primórdios quando o fator humano pesou - ou deixou de pesar - na atribuição de valores. Não há outro caminho que cedo ou tarde não leve à destruição.

Como raça somos um fracasso. Quando se trata de desequilíbrio, mestres. E tudo por conta de uma simples, porém consisitente razão: não somos capazes de estender os ideais de vida criados para nós mesmos àqueles criados sob nossa semelhança. São tantos os abismos a ponto de encararmos, quase que com naturalidade, a imagem que ilustra este post. Já não nos acostumamos a isso?

A mãe do todos os males é a falta de sensibilidade. É ela quem cria abismos intransponíveis por conta da voracidade humana em fazer de sua passagem por este planeta um acúmulo desmensurado de riquezas e afeta, em última instância, toda a dinâmica comportamental da raça. Não é por outra razão que geramos imperadores incendiários, ditadores fascistas, governos corruptos, mafiosos, torturadores, assassinos profissionais e toda sorte de "ser humano" que enxerga, na desgraça alheia, o trampolim para seu próprio engrandecimento. Isso ocorre porque é assim mesmo, porque nunca se pensou de outra maneira ou se estabeleceu um sistema que valorizasse a comunhão.
Gosto muito daquela historinha que diz que um certo ser humano, algumas centenas de anos à nossa frente, teve a oportunidade de visitar um berçário em um planeta distante. Ficou impressionado ao ser levado a um espaço do tamanho do Maracanã em que havia milhares e milhares de bebes dispostos, todos calmamente dormindo em seus bercinhos. "Como funciona isso?", ele perguntou ao seu anfitrião. "Muito simples. Quando um bebe nasce, nós o recolhemos e o trazemos a esse local. Aqui recebem todo tipo de assistência e crescem felizes e saudáveis". "E como os pais fazem para saber quem são seus filhos?", o humano perguntou. "Não fazem. Aqui todos são seus filhos".

Nada mais a ser dito. 

16 comentários:

  1. algumas coisas são tão óbvias, se as tomarmos e analizarmos com uma perspctiva humana... Não nascemos maus, a razão de nosso caminho é a experiência de nossa alma, que é amorosa em sua essência. Nós desvirtuamos as coisas de uma tal forma, que nem nos conhecemos mais como raça, como civilização. Está mais do que claro que estamos numa encuzilhada que nos pode ser faltal...; praticamente estamos prestes a desaparecer, como outras civilizações que aqui já floreceram e que sumiram, sem que nós saibamos quem foram, sem sequer acreditemos que existiram.

    Isso que escreveu acima é um retrato fiel do que acontece com Seres Mais Desenvolvidos, que aliás, já passaram pelo que estamos passando agora. Somos Todos Um. Uma pena que essa Verdade não penetre em todos os corações, tudo ficaria bem mais fácil, e completo.

    Um abraço, vc fala com o coração.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita e pelas palavras, Silvio, gde abraço!

    ResponderExcluir
  3. Apesar das diferentes verdades apresentadas neste post, por si....continuo a ter uma enorme esperança na mudança das mentalidades e a certeza de que haverá um momento de consciência ....não tenho dúvidas.Infelizmente, é necessário, muitas vezes mergulharmos no caos para descobrir a luz. A esperança é a última a morrer...bjinho

    ResponderExcluir
  4. Parte do aprendizado, Alfa, mergulhar no caos para descobrir a luz, como voce bem disse!

    ResponderExcluir
  5. Continuo a ter esperança de quem um dia tudo irá melhorar.

    Obrigado pela sua companhia.

    Bom dia!

    beijooo.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, Ana, uma ótima semana pra voce!

    ResponderExcluir
  7. Fico feliz quando entro em um blog e vejo que além da beleza e elegancia, há conteúdo de qualidade nas postagens, esse texto reflexivo e contundente me emocionou muito. Gostaria de pedir autorização para que eu o reproduza no meu blog ,lhe dando os devidos créditos. Fica na paz e já estou te seguindo.

    ResponderExcluir
  8. Ola, Elsy, seja muito bem vinda. Sinta-se à vontade para reproduzir o texto, a partir do momento em que foi concebido ele deixa de ser apenas meu. É nosso!

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde.

    Faz pensar este texto, pois, queremos tanto saber de onde viemos e acabamos por esquecer para onde iremos, esta trajetória cheia de descaso com tudo que nos cerca, o futuro promete...

    Renata

    ResponderExcluir
  10. Obrigado pela visita, Renata! Para onde vamos não resta muita dúvida, o futuro se desenha através de nossas ações corrosivas. O planeta não aguenta... bjos

    ResponderExcluir
  11. André,
    seu blog foi indicado pelo Ricardo Calmon.
    Estou encantada!
    Parabéns e muita Luz no coração.
    Carinho e admiração,
    Fátima Guerra.
    (Se puder, leia minha ultima blogagem de setembro.Ficarei honrrada.).

    ResponderExcluir
  12. André

    Voltei, porque é impossível não voltar.
    Estar aqui é olhar para o alto, é refletir enquanto descobrimos que o fundo da alma não tem fundo ...e que o destino do mundo cabe na
    nossa sensibilidade.
    Carinho e admiração,
    Fátima Guerra

    ResponderExcluir
  13. Nossa que linda lição

    ainda ontem eu estava assistindo Animal Planet, sobre ecosistema e um pesquisador falava justamente isso que como espécie somos terríveis.
    Vamos passando por cima das coisas e nem nos importamos e causamos a extinção de outras espécies, e o perigo é que como sabemos muito pouco sobre o ecosistema, a gente nunca sabe que pedra é a que sustenta o organismo todo.
    Citou um exemplo das lontras marinhas que comem os ouriços do mar, num tempo atrás elas foram caçadas e chegaram a estar ameaçadas de extinção, o resultado é que os ouriços comeram toda a alga marinha que servia de lar e alimento para milhares de outras espécies de peixes, e foram obrigados a preservar as poucas lontras que sobreviveram e levou milhares de anos até as algas crescerem novamente mas espécies que se extiguiram nunca mais voltaram.
    Porque eu comparei isso, porque acho que é o que estamos vivendo, essa agreção toda, com o meio, e com os outros, está gerando isso.
    A extinção de sentimentos bons, aumento de crimes, e cada dia estamos piores, a inversão dos valores, mas o risco que corremos é de que qualquer hora os poucos que ainda sentem amor, respeito, amizade, solidariedade, também tornem-se tão poucos, que vai ser preciso ao homem convergir, para pode salvar a própria espécie. ainda temos muito que aprender meu amigo. infelizmente o cenário não é nada bom. mas eu sou time que ainda, acredita.

    bjs

    ResponderExcluir
  14. Olá !
    Que a Paz ilumine nossos dias e embale nossas noites.
    Carinho
    Fátima Guerra

    ResponderExcluir
  15. André,
    Profundo seu texto,adorei o fim sobre filhos.
    Li que nossos filhos são espíritos e que devemos deixá-los seguir adiante.
    Estamos anos luz da melhora moral e espiritual.
    Digo sempre que somos tão pequeninos perante o Universo. É difícil demais reconhecermos nossos erros mais profundos.
    Vamos caminhar só assim chegaremos talvez a um entendimento.
    besitos.
    Indiana.

    ResponderExcluir
  16. Obrigado, Indiana, tambem adorei sua visita!

    ResponderExcluir