26 de outubro de 2013

Bolsa Família e Mais médicos: mediocridade a céu aberto

É muito comum - e principalmente cômodo - direcionar esforços/recursos para evidências ao invés de origens. Ir ao ponto de partida e colocar o dedo na ferida requer planejamento, inteligência e principalmente paciência para saber que problemas estruturais se resolvem a longo prazo. Os resultados demoram a aparecer, é verdade, mas quando isso ocorre a questão fica definitivamente sanada. É preciso coragem e determinação - não apenas projetos de poder baseados em ignorância e carência - para atacar causas, não consequências.

O Bolsa família nasceu com o objetivo de tirar da miséria milhões de brasileiros que viviam abaixo da linha da pobreza. Conseguiu. É válido, mas ao mesmo tempo questionável. Trata-se do programa assistencialista que, embora moldado nos padrões dos programas de transferência de renda do governo FHC, virou cartão de visitas do PT, a referência para que este remeta a si mesmo o rótulo de salvador da pátria, gerador de riquezas e tantas outras baboseiras que só servem mesmo para enganar essa população carente, conivente e agora de barriga cheia.

E é fácil explicar. Imagine que você vê uma casa em chamas. O que você faz? Chama os bombeiros para apagar o incêndio. Digamos que foi um fogo pequeno e que rapidamente tudo fica sob controle. Depois do rescaldo, o laudo do corpo de bombeiros indica que é necessário fazer alguns reparos na parte elétrica da casa para que o problema não se repita. Ninguém faz nada e duas semanas depois a casa volta a ter um curto circuito, o fogo se espalha, os bombeiros são chamados e o fogo extinto. A parte elétrica, gente, é preciso corrigir o problema. Ninguém faz nada, o fogo volta, os bombeiros são chamados em um ciclo interminável. Com o bolsa família não é diferente: você alimenta um programa de transferência de renda que sana os problemas causados pela falta de dinheiro, mas não elimina o problema. Você elimina o fogo, não a probabilidade dele voltar porque não fez os reparos necessários!

E em que consiste tais reparos? Na geração de conhecimento, produtividade e inserção no mercado de trabalho. A tal da qualificação que mencionei no post anterior, que permite que cada indivíduo contribua com sua parcela para o desenvolvimento econômico. E o que é preciso fazer? Investir nas bases da educação, em um programa de formação profissional, geração de empregos (se diminuir os entraves para a criação de empresas no Brasil e a carga tributária já ajuda) e multiplicação de renda. Isso tem um custo, naturalmente, mas a longo prazo permite o equilíbrio ao invés de alimentar um sistema parasita onde uns recebem sem produzir (significa dizer que eu, você e toda a sociedade tem que produzir mais para compensar os que só recebem). E a coisa vai mais longe: quem recebe esse benefício hoje não são somente os miseráveis que não tem o que comer. Há relatos de beneficiados do bolsa maldita que possuem carro e celular, sem contar os que são funcionários públicos ou políticos e que tem a cara de pau de receber o valor. Na prática, isso só vale porque conta votos e este é o único objetivo do projeto de poder do PT. Não se trata do desenvolvimento econômico, mas do apego parasitário ao "trono". Se a casa pega fogo uma vez, você chama os bombeiros. Se não resolve o problema na origem, isso não termina nunca e acaba por alimentar uma camada que a cada dia se torna mais indolente e refém do sistema. Se estamos nos distanciando em termos de competitividade dos outros países da América Latina, literalmente ficando para trás, a tendência é que tudo fique ainda pior nas próximas décadas, principalmente se este projeto do PT se perpetuar (e tudo leva para este caminho, já que os responsáveis pela reeleição da Dona Dilma são estes mesmos beneficiados, maioria no país). A longo prazo, o Brasil estará arrebentado.

Isso sem contar o 'mais médicos'. Trazer gente de fora que se submete às condições locais levanta a mesma questão: ajuste de consequência, não de causa. Os médicos brasileiros só não se mobilizam a preencher as vagas necessárias país afora porque sabem das condições precárias que terão que enfrentar, ao passo que os estrangeiros cubanos ganharão aqui, em um ano, o que não ganham lá em dez. De novo uma apelação eleitoral na tentativa de captar votos nestes rincões que sofrem com o atendimento precário ou a total ausência dele.

E assim caminha o Brasil do PT, um projeto de país refém da natureza maligna que alimenta estas distorções. É possível construir uma nação com um programa assistencialista e um sistema de saúde assombroso? Claro que é. Uma nação de párias e ignorantes perpetrados em um ciclo tão perigoso como a cobra que se alimenta de si mesma...




19 de outubro de 2013

Por que o Brasil é tão medíocre?


Não se pode atribuir a um fator isolado a responsabilidade acerca do desastre Brasil como nação, um país que tem a ousadia de estampar em seu estandarte as palavras 'ordem' e 'progresso' e historicamente caminhar na contra mão de ambos. Mas se eu tivesse que fazê-lo (assumir este fator isolado), diria que nossa grande deficiência chama-se DESQUALIFICAÇÃO. Um país sem bases, sem diretrizes, sem um projeto estrutural de educação e crescimento e sem cabeças apropriadas para dirigi-lo só poderia chegar onde chegou em pleno século XXI: uma sociedade amorfa, liderada por ignorantes com interesses particulares, onde quase nada funciona e, invariavelmente, a lei da selva impera. 

Mas, afinal, o que é a qualificação e por que estamos tão distantes dela?

São vários os pressupostos que compõe a qualificação e se distribuem em diversos segmentos - profissional, social, econômico - que sintetizados compõe dois aspectos, a meu ver, essenciais: preparação e ambiente regulatório.

Preparação: preparar significa habilitar, criar condições para que determinados indivíduos, sem prévia experiência, possam auferir resultados depois de submetidos ao processo de geração de conhecimento e prática. Para tanto se faz necessária uma estrutura de ensino que promova a distribuição deste conhecimento em todos os níveis, do básico ao universitário, possibilitando educação e desenvolvimento de forma horizontal pela sociedade. Não é preciso ser nenhum expert para saber que o ensino básico no Brasil é sofrível (conheço pessoas com formação universitária que fazem conta no papel para somar 15 mais 17 ou que insistem em escrever 'mais eu não sabia'), que a maneira como qualificamos nossas crianças é o caminho inevitável para que se tornem mão de obra barata e... Desqualificada (obviamente não me refiro ao Brasil representado pelo ensino privado e pelas oportunidades que o mesmo gera, o que só acontece porque a qualificação não está sob a tutela do estado; este, quando consegue algum resultado positivo, o faz no último elo da cadeia, a universidade, via de regra frequentada por quem teve condições de bancar o ensino médio em escolas particulares ou por quem se insere através das quotas - a exceção da exceção). O nivelamento é por baixo, e isso não seria um problema se essa mão de obra estivesse limitada a trabalhos mais braçais do que intelectuais. Passamos a contar com profissionais nas mais diversas áreas sem formação precisa, técnica e de caráter, diga-se de passagem, e sem tal qualificação o resultado é catastrófico, sobretudo quando voltamos o olhar àqueles que dominam a máquina pública e que tomam decisões como se estivessem tomando banho, tal o despreparo. O resultado? As ruas esburacadas que danificam seu carro, o risco de ser assaltado à luz do dia, a morte à espreita nos corredores dos hospitais públicos...

Tomemos o exemplo do pré-sal, mais do que na moda. O modelo de exploração proposto pelo governo para a iniciativa privada não deve ser lá tão satisfatório, caso contrário as maiores companhias de petróleo do mundo como Exxon, British Petroleum ou Chevron estariam participando. O leilão corre o risco de ser um fiasco e envolver apenas um consórcio participante. Por outro lado, entidades sindicais prometem fazer uma baguncinha básica para impedir que o leilão siga adiante, justificando que o modelo de exploração é, na verdade, uma privatização e uma afronta à soberania nacional. Milha leitura? Desqualificados, manipulados, massa de manobra que não faz a menor ideia do que está falando. O Brasil, e mais especificamente a Petrobrás, não possuem as condições necessárias para levar adiante a exploração sem a ajuda de terceiros, é melhor costurar parcerias e ter algum retorno do que esperar mais duzentos anos e não ter nada. Essa discussão pode se perpetuar sabe-se lá por quanto tempo, mas, de novo, só demonstra o nível de ignorância que permeia a sociedade. Como é que com um nível de imbecilidade desta envergadura o país pretende chegar a algum lugar? Outro exemplo de gestão: temos uma presidente que diz que a inflação está sob controle e que, provavelmente, nunca foi a um supermercado na vida (se tivesse ido saberia, por experiência própria, que nada está sob controle). Mas esse é o discurso de quem não tem capital intelectual para dirigir qualquer tipo de negócio, e assim o país se arrasta.

Ambiente regulatório: preparação apenas não basta, é preciso aliá-la às regras que definem o meio competitivo para que o processo qualificatório se complete. E aqui nada caminha nesta direção: a guerra dos portos, a contestação dos aumentos das passagens de ônibus refletidas em aumento de IPTU, a polícia envolvida com a cúpula do PCC e n outros exemplos que mostram que as cabeças desqualificadas não são capazes de levar adiante um país como o nosso, com tamanho potencial, recursos naturais e gente disposta a fazer acontecer. Verdadeira lástima.

Não há como negar o nível de estagnação e mediocridade do país, agora já mergulhado em um embate político que só terminará com as eleições de 2014. O governo voltado para a reeleição, a oposição disposta a cutucar as feridas, o Congresso brincando de governar. Enquanto isso o Chile cresce, o Peru cresce, até o Uruguai, com todo respeito, cresce. O Brasil? Não passa de uma ex-colônia imatura que ainda não encontrou seu caminho.


30 de junho de 2013

PRODUZIR is not an option!

Embora tenha origem no campo das ciências biológicas, o termo parasita aplica-se com propriedade às ciências sociais, sobretudo quando o olhar volta-se para a classe política brasileira. O parasita, por definição, é o  indivíduo que capta a energia necessária à sua sobrevivência através de um terceiro, o chamado hospedeiro, e perpetua essa relação simbiótica em que ambos usufruem do que apenas um produz. Não é à toa que a origem da palavra grega significa 'aquele que come ao lado', e que claramente traduz a ideia de que o esforço do hospedeiro sempre terá que ser maior para compensar a inércia do pária.

Traduzindo isso em realidade social, a brasileira carrega o péssimo hábito de beneficiar-se de situações em que nenhum esforço ou energia é dispendido por conta própria. Isso vai desde o simples ato de furar uma fila (o esforço foi do outro em se planejar e chegar primeiro), prática muito comum entre a maioria de nós e que se não sugere maiores implicações econômicas esbarra na fraqueza moral, até apropriar-se indevidamente do dinheiro alheio. E não estou falando aqui de roubo ou corrupção, estou falando do dinheiro que é cedido por lei àqueles eleitos pelo povo e que em troca produzem... o que? A Folha de hoje noticiou o fato de Dona Dilma gastar mais de R$ 3.000,00 para se produzir ante às cameras de TV em seus pronunciamentos (e olha que puta dinheiro mal gasto, a cara da mulher não melhora uma vírgula). E não se trata do valor ser alto ou baixo, se trata do que é produzido em contrapartida para se ter acesso a ele! Se a mulher de um grande empresário quiser gastar R$ 3.000,00 para fazer as unhas é um direito que lhe assiste, o marido produziu o suficiente para bancar a conta (se vale ou não é outra questão). Mas no caso da Dona Dilma, que tipo de produção justifica o gasto? A quebra da Petrobrás? O elenco inflado de 39 ministérios que ela mal consegue administrar? A alta da inflação ou a estagnação econômica? 

A classe política brasileira é adepta da prática há décadas. "Você produz, eu compartilho, nós usufruímos!". É verba disso, daquilo, em troca de que? Das práticas imorais? Dos conchavos? Foi só o povo sair às ruas que produziram em dois dias o que não produziam há dois anos! O Brasil precisa se reinventar, e pode começar por práticas muito simples: para sobreviver e ter acesso a ganhos, é preciso produzir. Não basta ficar sentado em uma cadeira no congresso nacional, trocando figurinhas com comparsas, inventando coisas idiotas para o tempo passar. É preciso produzir, gerar recursos e receber de acordo. Não é assim na vida de todo mundo? Por que na política haveria de ser diferente? Há que se criar a consciência necessária que indica o trabalho e a geração de riqueza como primeiro passo para um processo de distribuição que garanta a eficiência dos serviços públicos. Quer auxilio moradia? Quer verba de gabinete? Quer verba pra contratar auxiliares? Quer auxilio terno? Vai trabalhar, vagabundo! Ou como você acha que o Japão emergiu como potência econômica depois de ser arrasado pela bomba atômica? Ou como as cidades devastadas pelo tsunami há dois anos já foram reconstruídas ao passo que nós, parasitas e preguiçosos, mal saímos do lugar?
Isso chama-se arregaçar as mangas e trabalhar, coisa que a voz das ruas parece estar colhendo seus primeiro frutos. Produzir, meus caros, não é opção, é obrigação!



23 de junho de 2013

Líderes: a arte de saber construir

Tive o privilégio de trabalhar com grandes líderes, homens como Rubens Taveira e Jose Maria Latugaye, que ajudaram a moldar meu caráter como profissional e apontar os caminhos em busca de resultados. Agradeço a eles pelos ensinamentos, entre eles - e fazendo um paralelo com o discurso da Dona Dilma - posso citar:

1. Diante de uma questão ou problema vá direto ao ponto, nada de rodeios ou chover no molhado, tergiversações ou desvio de foco - exatamente o contrário do que fez Dona Dilma, que usou metade do tempo do seu discurso para legitimar as manifestações e condenar os atos de vandalismo. Ora, isso tá todo mundo cansado de saber, é insistir em algo que todo mundo já viu, descascar a questão sem um objetivo definido, sem a busca por soluções. Se você já participou de uma reunião com mais de três pessoas, seguramente já passou por isso em algum momento da sua vida

2.       Definido o problema, busque soluções e monte um plano de trabalho que envolva prazos, recursos e responsáveis para resolvê-lo – pronto, exatamente o que fez Dona Dilma ao afirmar que a solução para a saúde no Brasil é trazer médicos do exterior, não? Solução perfeita, encobrindo os problemas reais de estrutura, leitos, materiais e o total sucateamento do serviço de saúde pública. Soluções dessa natureza são para inglês ver, barrigam a questão sem vislumbrar saídas viáveis

3.       Errou? Assuma. As pessoas que trabalham com você perceberão que errar é uma possibilidade real e que pode acontecer até com o líder; isso as incentiva a agir, a não pecar pela omissão, mas aprender com os erros – como disse Dona Dilma, tudo que ela não conseguiu fazer foi por limitações políticas e econômicas – coisas do sistema, não de sua incapacidade como líder (as crianças pequenas costumam dizer ‘não foi minha culpa!”)

Enfim, dá pra listar uma série de outros atributos como saber ouvir e traçar um diagnóstico antes de tomar qualquer decisão – coisa que a Dona Dilma adora não fazer, tomando decisões por conta e risco e não dando ouvidos aos que a cercam, como já manifestaram vários ministros – cercar-se de gente com habilidade e iniciativa para a execução de projetos – exatamente o que ela não faz ao recrutar um bando de fichas sujas para assessorá-la - ou mentir - balela essa história que não há financiamento público na construção dos estádios, só o dinheiro perdido em isenções fiscais já conta. Já tive o desprazer de trabalhar com líderes perfil 2D (Dona Dilma), uma mistura de inépcia e total falta de foco que desperdiça recursos e tempo, e  posso dizer que os resultados sempre foram os piores possíveis...

22 de junho de 2013

Basta!

O conceito de riqueza passa pelo acúmulo desmensurado de bens e capital a qualquer custo, ao menos aos olhos dos políticos brasileiros que seguem a mesma prática perpetrada por seus antecessores portugueses desde os primórdios da colonização. Talvez seja esta a simbologia maior do poder, refletida no valor tangível que eleva seu proprietário a um status diferenciado, elitista e nobre, exatamente como se fazia há 500 anos. De lá para cá, pouca coisa mudou.

É neste contexto que, para eles, os fins justificam os meios, sobretudo quando a prática se instala entre seus pares e ficar pra trás é suicídio. Você é envolvido pela máquina, compactua com as ações escusas e, ao final, recebe seu merecido prêmio. Desde a época que me conheço por gente, quando Paulo Maluf era prefeito de São Paulo, a coisa já era assim. E vem de forma tão descarada e avassaladora que o mais comum é passar isso adiante como um ritual, uma prática de pai para filho, exatamente como ocorreu com o senhor supra citado e seu rebento mais famoso, Celso Pitta, mais tarde retirado de casa pela PF de pijamas por desvio de recursos públicos. Você se sentiria ridículo e incomodado ao se lembrar do episódio, mas me lembro de ter ido ao aeroporto e encontrá-lo no desembarque internacional, elegantemente vestido e distribuindo sorrisos como nada tivesse acontecido. Faz parte do jogo.

Ocorre que, obviamente, esse jogo tem seus efeitos colaterais. Se o sujeito se apropria de um montante que não lhe pertence, o destino original fica no vazio. E pode ser o sistema de saúde, a educação ou a segurança, já tão sucateados e sem qualquer perspectiva que os protestos que se espalham pelo Brasil afora vem em boa hora. Na cabeça destes párias, acostumados a um padrão que tem mais de 500 anos de história, que problema tem desviar uns R$ 500 mil, por exemplo? Eu me aproprio deste valor e amanhã alguém cobre, de algum lado sai. A luta para fazer parte desta elite, traduzida neste acúmulo desmensurado de valores, não tem escrúpulos e passa por cima das necessidades básicas da sociedade. Escrúpulos ou moral, a ponto do senhor Celso Pitta (apenas um entre milhares de outros exemplos), depois de tudo que roubou, dar a cara à tapa, expondo-se em sorrisos como se nada tivesse acontecido. O povo é dócil, ignorante, passivo, não é mesmo? Ao que tudo indica, esse tempo há de ficar para trás, a sociedade exige um basta. Ninguém deve pairar acima da lei.

As manifestações devem continuar e lutar contra tudo que se acumulou como lixo neste país nos últimos 50 anos. A voz que vem das ruas coloca sim, em risco, a prática erosiva, mas que não se iludam seus organizadores: manter-se apartidários permite obstruir decisões, mas não lhes dá o direito de tomá-las. Também é preciso organizar-se politicamente - criando um partido novo se a lei permitir, filiando-se a um existente, enfim - para expor suas ideias, ganhar apoio e assumir o leme desta nau sem rumo, dando um fio de esperança às gerações futuras.


2 de abril de 2013

Brasil, um país fadado ao fracasso

São dois os pressupostos básicos para uma nação que almeja progresso: gente séria e capacitada que a comande, de um lado, e pessoas dispostas e de mínimo nível educacional capazes de produzir, de outro. As leis pairam acima e, se aplicadas a todos, servem para regular a vida em sociedade.

Desde os tempos da independência, o Brasil é um país de mandos e desmandos, de troca de favores e preservação de interesses corporativos. As pessoas alçadas ao poder, com raríssimas exceções, trabalham em benefício de determinadas classes ou grupos, favorecendo sempre uma minoria. Hoje, por exemplo, o governo Dilma loteia ministérios para não perder apoio político, mesmo sabendo que está abrindo seus cofres a gente com um passado político nada ortodoxo, ficha suja até o último fio de cabelo. Nesse contexto, falar em gente séria é piada, falar em gente capacitada que possa doar seu conhecimento e trabalhar em prol da nação é utopia. Ética? A palavra já deveria ter sido abolida do Aurélio há muito tempo.  Não há um sentido coletivo no que diz respeito a organizar e liderar, levar o país a um patamar acima. A classe política é a mais bem paga -  principalmente se levarmos em conta o que produz - e se limita a distribuir favores e manter o status quo inalterado. Quem progride? Eles mesmos. Não é à toa que países de maior IDH (índice de desenvolvimento humano) como a Suécia, por exemplo, tem seus parlamentares vivendo em modestos apartamentos, enquanto aqui se paga R$ 3.800,00 aos nobres deputados apenas como auxílio moradia. É um acinte para a média de ganho do brasileiro. Professores, por outro lado, são mal remunerados e sua deficiência, seja na quantidade de profissionais à disposição do ensino, seja na qualificação, emperra o tal progresso. Aí avançamos para o  segundo pilar deste post: a educação.

 O povo brasileiro é fruto da miscigenação iniciada no período colonial e que mesclou portugueses, índios e negros (além de contar com ondas migratórias nos séculos seguintes em que povos de todas as partes da Europa e Ásia, principalmente, aportaram em terras tupiniquins), estes últimos escravos até 1888. Enquanto nos países de origem hispânica o ensino superior já havia sido instituído desde o século XVI, a primeira universidade brasileira só foi fundada em 1808 (Universidade de Medicina da Bahia, graças à vinda da família real ao Brasil, já que até então Portugal não permitia a criação de escolas de ensino superior). Ou seja, não havia o menor interesse da metrópole em educar ou formar gente qualificada, característica que se perpetua até os dias de hoje através de um ensino público medíocre e que marginaliza boa parte da sociedade. Falta estrutura, gente e recursos. Falta apoio, visão de longo prazo. A boa educação passa, necessariamente, pelas instituições privadas. Sem qualificação não há produção de nível e não se gera riqueza, a não ser nos bolsões segmentados que nos acostumamos a ver. Além disso, criamos uma sociedade em que impera o mau gosto e a falta de educação, a metáfora do cara embarcando em voo internacional de regata e chinelo de dedo ou aos berros no celular à mesa do restaurante. Uma sociedade desinformada e sem postura, que não sabe o que é respeitar o próximo como na foto que ilustra o post - a venda de ingressos para a reinauguração do estádio na Fonte Nova, na Bahia. É o fiel retrato do comportamento de um povo sem qualquer referência moral.

Se o Brasil pretende, em algum momento de sua história, tornar-se uma nação de primeiro mundo, precisa primeiro se descontruir. Precisa recriar o processo educacional com uma base sólida e eficiente que forme cidadãos, não porcalhões e marginais. Precisa redistribuir a renda paga a esses merdas de políticos para incentivar gente capacitada que queira transmitir conhecimento, equilibrando o convívio em sociedade. Isso também levará os políticos a buscarem ocupações em que possam ganhar/ roubar mais, deixando os cargos legislativos nas mãos de gente que esteja de fato interessada em desenvolvimento e que não precisa 'dos tubos' para trabalhar em nome do país. Eu calculo, em média, uns 300 anos para isso acontecer, desde que iniciemos o processo já. Políticas assistencialistas, copa do mundo e olimpíadas só contribuirão para manter a massa sob controle e garantir a reeleição, justamente o que almeja este governo que aí está. Progresso? Só mesmo na bandeira nacional...